Era uma vez duas gatas, mãe e filha, que viviam num jardim de uma casa. Essas duas gatas tinham uma protetora que cuidava delas o melhor que conseguia: dava-lhes comida boa, aos poucos conseguiu aproximar-se o suficiente para as desparasitar e inclusivamente colocou uma cama para que estivessem mais resguardadas. Chegou o momento em que a gata-filha atingiu a idade necessária para ser esterilizada e a sua cuidadora apresentou uma candidatura de CED à CdC, para que, de uma vez, fossem as duas capturadas.

Porém, no dia da captura percebemos que algo de errado se passava com a gata-mãe dado que apresentava um grande inchaço no ombro dianteiro. Infelizmente tinha um tumor ósseo em estado avançado e não resistiu à operação. A gata-filha ficou assim sozinha.

A gata-filha pode voltar para o local onde vivia com a mãe mas esta já não estará lá. Ela pode voltar para um sítio onde terá comida e algum abrigo mas estará exposta ao frio e aos perigos da rua. Mas porquê aceitar isto se ela pode ter mais?!

Acreditamos que vai aparecer alguém que consiga ver além da sua timidez e considere adotá-la mas esta oportunidade tem um prazo que está a chegar ao fim.

Chamámo-la de Oriana, tal como a fada, por acharmos que ela vai trazer magia à vida de quem a adotar.

Encontra-se disponível para adoção, contudo, será necessário cumprir os seguintes requisitos: preencher termo de adoção e colocação de microchip (este último a cargo do/a adotante).

Atualização Outubro 2018

A Oriana já foi adoptada.

Oriana